GRUPO DE TRABALHO

Gestão de Risco ASG e Transparência


Este GT foi criado no âmbito da cooperação técnica entre Brasil e Alemanha por meio do projeto Finanças Brasileiras Sustentáveis (FiBraS)*, com o objetivo de discutir e aprimorar a forma que instituições do mercado financeiro brasileiro lidam com fatores Ambientais, Sociais e de Governança (ASG) e como eles podem se traduzir em riscos ou oportunidades para os negócios.

Partindo do prévio alinhamento das iniciativas existentes, o novo GT buscará desenvolver propostas que possam apoiar instituições financeiras, empresas, fundos e seguradoras, no processo de definir, medir e integrar fatores ASG, assim como incentivar e demonstrar os benefícios da transparência na gestão destes aspectos e seus impactos nos negócios. O GT ainda está em fase de desenvolvimento, com a definição da sua composição e subgrupos temáticos, assim como das iniciativas e linhas de ação para este primeiro ciclo. Um aspecto importante é o aprimoramento dos riscos climáticos nas
instituições financeiras, empresas, fundos e seguradoras. Esta linha de trabalho visa – entre outros – a integração das recomendações do Grupo de Trabalho Internacional TCFD (Task Force on Climate-Related Financial Disclosures). A primeira reunião ocorrerá em outubro, junto com os demais GTs do LAB.

* O FiBraS é um projeto de cooperação técnica, criado no âmbito da parceria entre os Governos do Brasil e da Alemanha, que tem por objetivo melhorar as condições do mercado brasileiro para potencializar e alavancar as finanças verdes no Brasil. Para isso, o projeto apoia o fortalecimento do tema na agenda política brasileira e da regulamentação do gerenciamento de riscos ambientais, assim como caminhos e alternativas para o aumento da oferta de serviços financeiros verdes no mercado.

O Ministério da Economia brasileiro, por meio da Secretaria de Política Econômica, o Banco Central do Brasil e a Deutsche Gesellschaft für Internationale Zusammenarbeit (GIZ) GmbH, comissionada pelo Ministério Federal da Cooperação Econômica e do Desenvolvimento alemão (BMZ) estão em colaboração pela primeira vez num projeto de cooperação técnica, e são os responsáveis por sua implementação, iniciada no final de 2018. Informações adicionais podem ser acessadas no site do projeto.


PARTICIPANTES


GT composto por
54 Instituições


Também
PARTICIPAM

Amec, BNDES, Caixa Econômica Federal, Fapes, GVCes, Ministério da Economia, PRI, Rede Brasil do Pacto Global, Secretaria de Governo, Sustenseg, Tesouro, UNEP FI, Votorantim Reservas